sexta-feira, 22 de outubro de 2010

Vá tomar no cu!

É isso mesmo... é esse palavrão chocante que eu quis dizer...

Sou uma jovem quarentona, mãe de um filho e que foi educada em casa e no colégio católico a não dizer palavras feias e não expressar raiva... é vulgar para uma mulher, é o que me explicaram... Já homem, no trânsito, no futebol e na mesa de bar, pode falar a merda que quiser...

Acontece que eu fico puta com falso moralismo!

Esse tipo de gente que aponta o dedo podre para apontar o menor deslize dos outros. E hoje tem mil recursos para essas figuras que não tem o que fazer. Claro, ao invés de fofocar na praça ou gastar horas ao telefone, é só postar no youtube...

A coisa se reproduz, ganha outras dimensões, até que uma simples brincadeira, com um tom sexual, se tranforma no escândalo do ano. Ahhh, vá a puta que te pariu, né!

Eu não vou me dar ao trabalho de explicar sobre o que estou falando, porque a associação vai ser fácil. Se não for ao caso específico a que me refiro, a bronca serve para qualquer um parecido. Conselho: vá cuidar da sua vida!

Além do mais, minha amiga, a vítima do constrangimento eletrônico só porque fez uma brincadeira com referências sexuais antes de iniciar o trabalho, é uma mulher linda, inteligente e talentosa e está bem acima dessa moralzinha medíocre...

Vou dizer uma coisa para vocês. Tem uma palavra muita mais feia e perigosa que todos esses palavrões que eu coloquei nesse post: INVEJA

Só para lembrar que mulheres "educadas" podem sair da linha de vez em quando rsrs Eliana cantando "Vá tomar no cu"

terça-feira, 12 de outubro de 2010

Tenho um presente para agradecer...

Neste dia das crianças e da padroeira do Brasil, eu tenho um presente para agradecer: Ernesto

Ernesto é um menino lindo que encanta a minha vida à 4 anos e sete meses. Ele foi um presente especial desde o início. Apesar da gravidez nas vésperas dos 40 anos, tive uma gestação tranquila, com trabalho e hidroginástica até a semana do parto. Nada de pressão alta, diabetes gestacional e essas coisas que assustam as grávidas, principalmente as mais maduras...

Depois ele nasceu de um parto normal, rápido. Entrei na sala 6 h, quarenta minutos depois Ernesto estava comigo, e já foi logo mamando. Isso parecia o básico, mas depois de conversar com amigas que tiveram sérios problemas para amamentar seus filhos, eu vi que sou uma privilegiada!


A única doença que Ernesto teve até hoje foi uma tal de roséola que não pareceu muito assustadora. E que Santa Terezinha de Lisieux, que é minha cúmplice com relação à Ernesto, continue a protegê-lo para que essa saúde toda só se fortaleça!

É claro que tanta energia tem seu preço: eu tenho que me virar para correr atrás! Mas eu dou conta, com muito prazer. Ernesto mamou muito, tem tom de voz alto, adora pular em cima de mim e faz mil perguntas por hora. Mas é assim que eu quero!

Depois, veio um momento difícil, com a separação do pai dele. Tem sempre aquela preocupação que isso afete a criança. Mas Ernesto se adapta rápido. Adorou aprender sobre o sábado do papai e o sábado da mamãe. Gosta de ter um quarto em cada casa, com brinquedos e novidades! Aceitou muito bem quando o pai dele iniciou um novo relacionamento e até veio me perguntar se podia gostar da nova tia. "Claro que pode, meu bem", eu disse para aliviá-lo do problema.


Agora, é só viver um dia de cada vez... cada dia uma dádiva... cada dia um agradecimento... Ernesto é o meu milagre. Meu presente divino!

É isso, o dia é das crianças, mas o presente é meu! Obrigada Pai! Obrigada Ernesto