terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Uma sequência de erros que acaba em tragédia...

Benilton Ferreira dos Santos, de 38 anos. Esse é o nome do irresponsável que provocou a morte de duas crianças e deixou outras duas gravemente feridas, além das que tiveram contusões mais leves, mas não vão se livrar tão cedo do trauma de ver os coleguinhas morrerem.

O causador da tragédia estava bebendo desde o domingo e só parou às cinco horas da manhã da segunda-feira. Ele mesmo admitiu, ainda com a voz arrastada pela embriaguêz, que só dormiu três horas de sono, e ainda sob o efeito do alcóol, pegou o golf preto de um cliente que tinha pedido a ele para dar polimento no veículo.

Sem habilitação, Benilton entrou na BR 104, que corta uma área movimentada da zona urbana de Maceió, próximo ao aeroporto. Em alta velocidade, segundo ele mesmo disse, em torno de 100 km por hora, e com seis décigramas de alcool por litro de sangue, o condutor irresponsável alegou que foi fechado por um táxi e jogou o carro para o acostamento, onde estava parada a van de transporte escolar.

O impacto foi tão forte que a van capotou, com cerca de 10 crianças dentro, matando Pedro Barbosa, de sete anos, no local. Ele cursava a 2ª série do Ensino Fundamental na Escola Agnus Dei, em Rio Largo. Quatro crianças foram levadas para o Hospital Geral do Estado e as outras foram socorridas no pronto-socorro mais próximo do acidente.

Mikael Berneval, de 8 anos, chegou morto ao HGE. Os parentes estavam desolados. Em setembro do ano passado, o menino já tinha escapado de um acidente de trânsito. Dessa vez, ele não resistiu. A mãe do menino falecido está grávida de oito meses e precisou ser medicada ao saber do acidente. Ao pai da criança, coube a triste tarefa de providenciar a liberação do corpo e o sepultamento do filho.

No hospital, familiares das outras crianças estavam aflitos. Durante toda a tarde eles esperaram por notícias. As assistentes sociais se desdobraram para atender a todos. Pelo menos uma familia saiu de lá aliviada. Os pais de Alisson Alves, de 10 anos, levaram o menino para casa com um curativo na mão. Apesar de atordoado, ele estava bem e até concedeu entrevista para contar como foi o impacto do acidente. Mas as mães de duas meninas de seis anos estavam apreensivas. Uma delas estava melhor, em observação. Mas Edaine Castelo, filha única de uma professora, está ainda em situação bastante grave.

As escolas onde estudavam as duas crianças mortas suspenderam as atividades em sinal de luto. Na escola em que estuda Edaine, todos estão rezando pela recuperação dela. A menina teve quatro costelas quebrada e uma perfuração no pulmão.

O causador da tragédia disse que é pai de quatro filhos e lamentava o acidente que provocou... Ele fugiu do local sem prestar socorro às vítimas, mas foi preso em flagrante e será indiciado. Resta saber se vai se beneficiar das moderadas punições previstas para as mortes provocadas em acidentes de trânsito. A própria Justiça admite que o número de prisões é reduzido nesses processos. A maioria dos reús consegue pagar pelo crime com penas alternativas de prestação de serviço... a revolta é o peso que as familias da vítima carregam como um fardo insuportável, como se já não bastasse a dor de perder uma criança...

Matéria da TV Pajuçara sobre o trágico acidente

fotos: www.tudonahora.com.br

Um comentário:

  1. O causador desse luto tem que sentir o peso da Justiça! Estudei no Agnus Dei, esse colégio é uma família, por isso fará o possível para melhor amparar os familiares. /Henrique Andreão

    ResponderExcluir